A ABES reuniu associados e convidados para seu tradicional jantar de confraternização, no dia 11 de dezembro, no Espaço Trio One, em São Paulo.
 

Jorge Sukarie, presidente do Conselho, deu as boas vindas aos convidados, com um discurso otimista em relação à recuperação de todos os setores da economia, especialmente para TI e TIC. “A expectativa para este ano é que o setor de TI cresça algo em torno de 4% e o de TIC 2%. Para o ano que vem a expectativa é ainda melhor, 6% para o setor de TI e 4% para o setor de TIC”.
 
 
Na sequência, Francisco Camargo, presidente da ABES, abordou a posição e atuação da entidade em relação ao cenário jurídico, destacando os pontos positivos que reduziram a insegurança durante 2017, como a aprovação da Lei de Terceirização, a Reforma Trabalhista e a Lei do ISS em São Paulo, mas também alertou para as principais ameaças para o setor, como o INSS sobre a receita bruta, o ICMS sobre software e a possível reforma do PIS e do Cofins.  
 
“A questão de tributação mais preocupante que estará em debate em 2018 é a do ICMS sobre software. Nós estamos criando um fundo de defesa do setor, junto com outras entidades, a fim de realizarmos ações em Brasília e contarmos com o suporte especializado de um escritório de advocacia no Distrito Federal”, informou Camargo.
 

Fabio Rua, coordenador do Comitê Regulatório da ABES, também falou aos convidados sobre o crescimento do Movimento “Brasil, País Digital”, que tem objetivo de conscientizar a população sobre a importância dos dados. “Cada vez mais a gente percebe o interesse da sociedade por esse tema. A gente fecha o ano com mais de 160 mil curtidas no Facebook e engajamento crescente das pessoas, além do perfil no Twitter e do nosso site”, comemorou.
 

Veja aqui a notícia sobre os embaixadores honorários do Movimento Brasil, País Digital.

acesso rápido

pt_BRPT